Para repensar o grunge

Em 1991, neste mesmo dia 27 de agosto, o Pearl Jam deu à luz o seu “petardebut”, Ten, que de certa forma definiu as bases daquele subgênero gestado na tão famosa Seattle e que sobrevive ainda nos dias de hoje: o grunge. Que fique claro que tal termo foi cunhado pela mídia a partir da expressão grungy, que significa “sujo”. Mais do que uma referência ao som feito por Soundgarden, Alice in chains, Temple of the dog e Stone temple pilots, o termo fazia referência também ao modo de se vestir e viver dos músicos que compunham tais bandas, cujas principais características passaram a ser os cabelos desgrenhados, as blusas xadrez flaneladas e as jeans rasgadas.

Ten

Disponível em: https://www.discogs.com/

O aniversário de Ten e o lançamento, neste ano, de Stone temple pilots, do grupo de mesmo nome, e de Rainier fog, do Alice in chains, são bons pontos de partida para se repensar este subgênero, o grunge, que foi tão importante para a juventude dos anos 1990. Você deve ter reparado que até agora o Nirvana (talvez o maior nome da estética em questão) não foi mencionado. Pois é; é proposital. É provável que fãs xiitas me ofendam, mas a meu ver o trio composto por Kurt Cobain, Dave Grohl e Krist Novoselic é o menos grunge de todos os grupos que compõem a cena. Algumas questões técnicas ajudam a compreender esse rompimento; na verdade, tais questões enquadrariam facilmente o Nirvana em outro movimento: o punk londrino da virada dos anos 1970 para 1980. Não é para menos; duas das influências mais importantes de Cobain são o Clash e o Pistols, e isso pode ser comprovado no documentário Montage of heck, que trata da vida de Kurt, desde sua infância, passando por sua adolescência conturbada, até sua curta juventude. E como bom fã de punk, Cobain se valeu da estética simples e pouco trabalhada que teve o objetivo de contestar a harmonia complexa e rica do hard rock e do rock progressivo, que começaram a entrar em declínio no fim dos anos 70. Talvez por isso eu ache que o Nirvana pouco ou nada tem a ver com o grunge, a não ser a indumentária.

Bleach, de 1989, traz em si um som absurdamente sujo, agressivo e gritado, que veio a influenciar muitas bandas de hardcore e do próprio punk que surgiram depois desse período, o que evidencia, mais uma vez, o ciclo punk-Nirvana-punk. Somente em Nevermind, o divisor de águas na carreira da banda, lançado no mesmo ano que Ten, é que o Nirvana começou a desenvolver um som mais “agradável”, com algumas arestas aparadas e como uma tentativa de aliar solos de guitarra melódicos às simplistas sequências de acordes das canções que compõem o disco, reafirmativas das influências londrinas.

Ora, desde seu primeiro disco e até o último o Alice in chains sempre contou com a genialidade harmônica e melódica de Jerry Cantrell. Inclusive, o unplugged do grupo é um dos mais bem-quistos pelos fãs, para alguns é o melhor de todos os MTV Unpluggeds. Em todos os discos da banda é possível notar músicas bem trabalhadas, bem pensadas e com uma sonoridade ao mesmo tempo pesada e limpa. Situação semelhante ocorria com o Soundgarden, que tinha em Chris Cornell o modelo de frontman ideal, visto que cantava e tocava muito bem. Em termos gerais, as bandas ditas grunge, à exceção do Nirvana, sempre tiveram preocupação de fazer um som bem feito, compreensível, que aliasse as indagações líricas e inquietações à sonoridade encorpada que transitava entre o hard rock, o heavy metal e o stoner metal.

O Nirvana foi um fenômeno, e isso é inquestionável, a despeito das críticas à (duvidosa) qualidade da banda. A grande questão é que o grunge é um subgênero que está para além do que o Nirvana representou para a cultura pop (ou poderíamos dizer que o Nirvana esteve e está além do rótulo grunge). O Nirvana foi um fenômeno popular à semelhança do que representa a atual banda seu ex-baterista, o Foo Fighters, no que tange a mover multidões. Não deveriam ter feito a besteira de criar rótulos.

Heck

Disponível em: https://www.amazon.co.uk/

Para aqueles que quiserem compreender com maior profundidade essa ideia que proponho, sugiro que assistam ao documentário que mencionei, Montage of heck. Há entrevistas riquíssimas que ajudam a entender com maior clareza a conturbada vida de Kurt Cobain, com comentários de pessoas que o acompanharam em boa parte de sua vida, com o Krist Novoselic e Courtney Love.

Em tempo, convido-os a ouvirem novamente (ou pela primeira vez, caso não o tenham ouvido) o aniversariante do dia; Ten agrupa grandes sucessos da carreira do Pearl Jam. É um dos mais incríveis álbuns de estreia, de uma das bandas mais relevantes para o rock mundial.